Veja os resultados de outras Loterias

Mega
Lotomania
Quina
Lotofácil
Dupla
Timemania
Federal

Laudo do IML nega morte de bebê de um ano por agressão física no Piauí

  • Por:  
  • Publicado em Piauí
Publicidade

Um laudo do Instituto Médico Legal do Piauí (IML-PI) nega que a morte de um bebê de um ano de idade, ocorrida no Hospital Geral do Promorar nesse domingo (19) em Teresina, tenha sido provocada por maus-tratos. A informação é do delegado José de Anchieta Pontes, dando conta ainda que a mãe, presa em flagrante, será encaminhada para  a Penitenciária Feminina de capital, mesmo com o documento afirmando que a morte da filha não foi causada por agressões físicas.

O delegado Anchieta agora tenta relaxar a prisão da mãe porque não existem indícios indiquem que ela teve ação direta no óbito do bebê. “O laudo comprovou que a criança não sofreu agressão física. Os médicos fizeram todos os exames e não identificaram qualquer fratura. As manchas podem ser de alguma doença. Estamos tentando resolver a situação da mãe, que nem teve direito a participar do velório da filha. Confesso que também não entendi a prisão dessa mãe”, disse o delegado, afirmando ainda que a família mora na Zona Rural de Teresina e, possivelmente, não tinham acesso frequente ao Posto de Saúde.

José de Anchieta esclareceu que o auto de prisão foi realizado por um delegado plantonista na Central de Flagrantes, nesse domingo (20), apenas com o testemunho de dois soldados, que tinham observado manchas roxas pelo corpo do bebê.

A justiça foi favorável à prisão preventiva da mãe antes mesmo de sair o laudo do IML. O delegado José de Anchieta informou que as informações sobre o caso estão confusas e, por isso, as investigações estão sendo realizadas para verificar o convívio familiar do bebê, pois ele aparentava estar desnutrido e com anemia.

Entenda o caso
O bebê morreu na tarde de domingo (19) no Hospital Geral do Promorar, na Zona Sul de Teresina, uma hora após dar entrada.  A direção do hospital registrou um Boletim de Ocorrência porque suspeitaram que a criança faleceu em decorrência de uma doença não tratada.


Adicionar comentário

Importante: O conteúdo postado neste espaço é de responsabilidade do autor.


Código de segurança
Atualizar

Entre para postar comentários