Veja os resultados de outras Loterias

Mega
Lotomania
Quina
Lotofácil
Dupla
Timemania
Federal

Mulheres são xingadas em fast-food e vídeo vai parar nas redes sociais no PI

  • Por:  
  • Publicado em Piauí
Publicidade

O vídeo que mostra uma discussão na fila do drive thru do McDonald's localizado na Avenida Nossa Senhora de Fátima, Zona Leste de Teresina, foi parar nas redes sociais e na Delegacia Especializada da Mulher. As imagens foram gravadas pelas jovens agredidas verbalmente por um homem. Tudo começou quando ao engatar marcha ré o carro do jovem começou a descer e as mulheres que estavam no veículo atrás buzinaram para alertar o motorista. Logo em seguida, o rapaz desce do carro e começa uma série de insultos. O fato ocorreu na madrugada do domingo (1º). (Veja o vídeo ao lado).

Toda a discussão foi filmada por uma das jovens e logo em seguida compartilhada nas redes sociais. Nas imagens é possível ver que após xingar por várias vezes as jovens, o homem desce do carro e chega a bater com a mão no veículo das mulheres chamando a motorista de “palhaça” e “moleca”. Ele ainda chega a pedir que ela desça do carro.

“Tu é uma moleca, desce daí bonitinha, desce palhaça”, diz o homem.

Em outro momento, quando ainda era atendido por um funcionário do McDonald's, o rapaz de dentro do carro continua os insultos e pela janela do veículo chega a pedir para o atendente calcular a conta das meninas que ele pagaria sugerindo que elas não teriam dinheiro.

“Uma advogadazinha dessa, com os pneus tudo careca que o pai tá dando. Tem nada. Nada na vida tu vai ter ”. Ainda gravando, uma das moças chega a dizer que o homem estaria cometendo injúria e diz ainda que teria pedido aos seguranças do estabelecimento para barrar o jovem e que os funcionários nada fizeram.

“Eu pedi para os seguranças segurarem porque a polícia está chegando. Amanhã eu vou postar isso aqui e vai ter indenização contra o estabelecimento também”, diz uma delas. Nesse momento, o homem chega engatar novamente marcha ré e continua os xingamentos.

As imagens foram gravadas pelas jovens agredidas verbalmente por um homem no McDonald's em Teresina (Foto: Reprodução)Imagens foram gravadas pelas jovens agredidas verbalmente por um homem (Foto: Reprodução)



Três mulheres estavam no carro, duas delas são advogadas e a outra estudante de direito. O G1 falou com uma das moças e esta informou que somente irá se pronunciar sobre o caso por meio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A instituiçao chegou a emitir uma nota repudiando a postura do homem e disse que irá pedir investigação por parte da Delegacia Especializada da Mulher e acompanhamento do inquérito por parte do Ministério Público Estadual.

“A Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Piauí, por meio da Comissão da Mulher Advogada, vem a público manifestar o seu mais absoluto repúdio ao fato ocorrido na madrugada deste domingo (01), no drive thru de uma lanchonete da capital piauiense, quando um cliente, aparentemente sob efeito de bebida alcoólica, agrediu, gratuita e covardemente, três mulheres que se encontravam em automóvel atrás do seu, com palavras de baixo calão, de cunho discriminatório de gênero. A conduta do agressor, evidentemente criminosa, que evidencia enquadramento em ilícito de trânsito e em injuria real, merece rechaço e apuração pelas autoridades competentes”, diz a nota.

O McDonald’s também se posicionou sobre o ocorrido e esclareceu que tratam-se de fatos alheios à operação do restaurante. "A rede se coloca à disposição para apoiar as autoridades na condução do caso”, diz a nota enviada.

A delegada Vilma Alves, titular da Delegacia Especializada da Mulher, ouviu nesta segunda-feira (2) as vítimas da agressão e abrirá inquérito para apurar o fato. Segundo ela, uma das moças relatou que os xingamentos iniciaram quando ela teria sinalizado para o motorista que ele poderia bater no seu carro.

“A mulher é um cidadã e esse rapaz violou a Constituição destratando e constrangendo essas moças. Elas são preparadas e conscientes dos seus direitos e não vão desistir desse caso. Ele poderá responder por constrangimento e também ameaça. Acredito que se a porta do carro não estivesse travada teria havido agressão física”, disse a delegada.


Adicionar comentário

Importante: O conteúdo postado neste espaço é de responsabilidade do autor.


Código de segurança
Atualizar

Entre para postar comentários