Veja os resultados de outras Loterias

Mega
Lotomania
Quina
Lotofácil
Dupla
Timemania
Federal

Japoneses apreciam arquitetura de Niemeyer no Hospital Federal da Lagoa

Publicidade
Os dez andares do prédio principal do Hospital Federal da Lagoa (HFL), projetado por Oscar Niemeyer e por Hélio Uchoa, foram percorridos por uma comitiva de 16 arquitetos japoneses na última sexta-feira (06/11).

Ao final da visita, o professor da Universidade de Tokyo, Kazuhiko Okamoto, proferiu a palestra “Cenário atual da Arquitetura Hospitalar no Japão”, no Centro de Estudos do hospital. O evento foi organizado pelo Departamento de Gestão Hospitalar do Rio de Janeiro – DGH/MS/RJ e pela Associação Brasileira para Desenvolvimento do Edifício Hospitalar (ABDEH).

A comitiva veio ao Brasil conhecer o conjunto arquitetônico hospitalar de Niemeyer. No HFL, além de observar detalhes da estrutura, fez registros da ambiência acolhedora e da sinalização da unidade. A paisagem da Lagoa Rodrigo de Freitas, vista dos andares, e o jardim, com assinatura de Burle Marx, também encantaram os arquitetos. A visita foi guiada pelo engenheiro do hospital, Marcos Landeiro, e pela representante da ABDEH, Walkíria Erse.

PALESTRA- Na segunda etapa da visita, o professor Kazuhiko Okamoto atualizou arquitetos brasileiros sobre as características e tendências da arquitetura de hospitais no Japão. Iniciou a exposição com dados do sistema de saúde japonês e em seguida detalhou aspectos históricos do ambiente hospitalar no país. Também falou dos sistemas de segurança e de metodologias de concepção de projetos.

2B.jpg

Dos leitos em tatame à organização atual de quatro leitos por enfermaria, Kazuhiko destacou influências apropriadas pelos orientais da cultura ocidental, a exemplo dos leitos em camas suspensas, com o paciente virado diretamente para as janelas e não para o corredor - como é mais usual em países como o Brasil. Também destacou adaptações da arquitetura às mudanças ambientais: há cerca de dez anos as salas de cirurgia utilizam janelas de vidro, para aproveitar a luz natural. A medida possibilita o trabalho das equipes sem energia elétrica, o que pode ocorrer no caso de desastres naturais de grandes proporções.

O arquiteto reforçou a importância da ambiência para a recuperação do paciente. Ele elogiou a integração entre a obra arquitônica de Niemeyer e a cidade, responsável por propiciar uma vista verde do bairro ao paciente. “Foi muito bom conhecer um design original do Niemeyer e apreciar a vista que os pacientes têm. Ver a cidade, olhar para fora, é bom para o paciente, pois ele tem uma vida menos isolada do ambiente”, pontuou.

Com informações do Blog da Saúde

Adicionar comentário

Importante: O conteúdo postado neste espaço é de responsabilidade do autor.


Código de segurança
Atualizar

Entre para postar comentários