Presidente e relator de comissão anticorrupção repudiam anistia a caixa dois

  • Por:  
  • Publicado em Política
Publicidade
Após a aprovação do Projeto de Lei (PL 4.850/16), que trata das medidas de combate à corrupção, o presidente da comissão Joaquim Passarinho (PSD-PA) e o relator da proposta Onyx Lorenzoni (DEM-RS), divulgaram ontem (23) uma nota em que manifestaram repúdio contra uma suposta manobra para tentar anistiar a prática de caixa dois, uma das medidas criminalizadas pelo projeto.
De acordo com a nota os deputados manifestam “repúdio à tal possibilidade, bem como, a qualquer outra com igual finalidade, que, mesmo regimentalmente amparada, se constituiria numa frustração inaceitável dos anseios nacionais”.
O texto diz ainda que o projeto das dez medidas, elaborado pelo Ministério Público Federal, foi apoiado por mais de 2 milhões de assinaturas e ainda conclama os deputados a votar contra uma possível anistia. “[O projeto resultou] numa construção jurídica cujo resultado deve ser respeitado por seus representantes, sendo reprovável qualquer ação que tenda a frustrá-lo”, diz a nota.
Destaque O relator Onyx Lorenzoni  e o presidente Joaquim Passarinho divulgaram nota repudiando suposta manobra para tentar anistiar a prática de caixa dois Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil O relator Onyx Lorenzoni e o presidente Joaquim Passarinho divulgaram nota repudiando suposta manobra para tentar anistiar a prática de caixa dois

Um dos principais pontos de polêmica do texto, a que criminalização a prática de caixa dois, gerou divergências na comissão a respeito do efeito da medida. A proposta torna crime o uso de recursos não contabilizados e responsabiliza os dirigentes partidários. Os partidos, por sua vez, estão sujeitos a multa.

Alguns deputados chegaram a denunciar uma suposta manobra para tentar anistiar os políticos que incorreram na prática. De acordo com o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), a manobra consistiria em uma emenda apresentada em plenário para modificar o texto.

“Essa matéria é da maior complexidade, envolve persecução penal de uma série de crimes, sobretudo de crimes que têm vindo a tona, está circulando a informação de que venha acontecer a partir de uma emenda de plenário sem votação nominal para anistiar o caixa dois”, denunciou.

Quem também criticou a possibilidade de manobra foi o deputado Fernando Francischini (SD-PR). “Seria um escárnio jogar tudo o que fizemos no lixo, porque as dez medidas não valerão nada se houver uma anistia. Queria saber se o senhor só pode encaminhar amanhã o resultado da votação para evitar esse tipo de manobra”, ponderou.

O relator do projeto sugeriu que, após o término da votação na comissão, o texto só deveria ser encaminhado ao plenário no dia seguinte. "Não depende de mim, mas na minha opinião, que já externei para o presidente [da comissão] e alguns líderes partidários que a gente termina aqui e amanhã [24] de dia a gente faz um debate aberto e cada um assume a sua responsabilidade", disse. Lorenzoni.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), convocou uma  segunda sessão extraordinária da Casa, com apenas um projeto em discussão na pauta. Ele estaria aguardando o término dos trabalhos da comissão para colocar o texto do Projeto de Lei 4.850/16 em votação.

Com informações da Agência Brasil


Adicionar comentário

Importante: O conteúdo postado neste espaço é de responsabilidade do autor.


Código de segurança
Atualizar

Entre para postar comentários