Países das Américas criam plano para reduzir novos casos de HIV na região

  • Por:  
  • Publicado em Mundo
Publicidade
Com base nos esforços dos últimos 30 anos para responder à epidemia de HIV, ministros da Saúde de países das Américas aprovaram um plano para intensificar as medidas de prevenção e tratamento até 2020, com o objetivo fazer com que a Aids e as infecções sexualmente transmissíveis deixem de ser problema de saúde pública até 2030.
“Nós temos poderosas ferramentas de prevenção e tratamento para assegurar que a resposta de saúde pública ao HIV supere a epidemia”, afirmou Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Análises de Saúde da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), escritório regional para as Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS).
O novo plano busca, até 2020, reduzir novos casos de HIV na região das Américas em 74%, diminuir as mortes anuais relacionadas à Aids em 62%, baixar a proporção de crianças que nascem com HIV de 7% para 2% e garantir que não mais de cinco crianças a cada 10 mil nasçam com sífilis congênita.
O plano também pretende diminuir em 5% novos casos de câncer cervical causados por HPV, vírus facilmente transmissível por contato sexual.
Destaque Estima-se que 2 milhões de pessoas vivam com HIV na América Latina e no Caribe, e 100 mil sejam infectadas a cada ano. UNAIDS/P.Virot Estima-se que 2 milhões de pessoas vivam com HIV na América Latina e no Caribe, e 100 mil sejam infectadas a cada ano.

“Devemos fornecer uma resposta mais rápida, focada, inovadora, efetiva e sustentável baseada em abordagens interculturais, de saúde pública, direitos humanos, equidade de gênero”, afirmou Massimo Ghidinelli, chefe da Unidade de HIV, Hepatites, Tuberculose e Infecções Sexualmente Transmissíveis da OPAS/OMS.

Para alcançar esses objetivos, o plano prevê ampliar e garantir o acesso equitativo à prevenção do HIV e infecções sexualmente transmissíveis, cuidados e tratamentos por meio de serviços de saúde integrados, com a participação ativa da sociedade civil. Pede também o aprimoramento e a expansão do financiamento público para programas.

O plano objetiva eliminar a discriminação e outras barreiras que impedem o acesso oportuno aos serviços de saúde, e prevê esforços especiais para as populações mais afetadas pelo HIV na região, como pessoas transexuais, homens gays, homens que fazem sexo com homens, além de homens e mulheres profissionais do sexo.

Aprovado durante o 55º Conselho Diretor da OPAS, o plano é baseado em outros implementados pela organização e pelos países da região. Como resultado desses esforços, as Américas aumentaram em até 55% a cobertura do tratamento com antirretrovirais entre 2006 e 2015 e preveniram cerca de 28 novos casos de HIV em crianças nos últimos cinco anos. Em 2015, Cuba se tornou o primeiro país do mundo a receber certificação da OMS por ter eliminado a transmissão de sífilis e HIV de mãe para filho.

Apesar desse progresso, estima-se que 2 milhões de pessoas vivam com HIV na América Latina e no Caribe, 100 mil pessoas sejam infectadas a cada ano (com aumento no número de novos casos nos últimos anos) e 50 mil morram por causas relacionadas à Aids. Em 2012, infecções sexualmente transmissíveis facilmente curáveis afetaram 51 milhões de adolescentes e adultos na região.

Com informações Agência ONU


Adicionar comentário

Importante: O conteúdo postado neste espaço é de responsabilidade do autor.


Código de segurança
Atualizar

Entre para postar comentários