Diretoria da Academia Brasileira de Letras é reeleita no Rio

Publicidade
A atual diretoria da Academia Brasileira de Letras (ABL) foi reeleita ontem (1) para o exercício de 2017.  Foram reconduzidos aos cargos o presidente, Domício Proença Filho, a secretária-geral, Nélida Piñon, a primeira-secretária, Ana Maria Machado, o segundo-secretário, Merval Pereira, e o tesoureiro, Marco Lucchesi.
A cerimônia de posse para o novo exercício será no dia 15 de dezembro, às 17h, no Salão Nobre do Petit Trianon.
O presidente Proença Filho, eleito em março de 2006 para a ABL, é bacharel e licenciado em Letras Neolatinas pela antiga Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil e professor emérito da Universidade Federal Fluminense. É autor de 65 livros, nas áreas didático-pedagógicas, de poesia, ficção, cinema e televisão, além de ensaios e pesquisas.
A secretária-geral da ABL, Nélida Piñon, eleita em julho de 1989, na sucessão do filólogo Aurélio Buarque de Holanda, foi a primeira mulher a presidir a academia, no ano do seu primeiro Centenário, de 1996 a 1997.

Catedrática da Universidade de Miami, em 2012, foi nomeada Embajadora Iberoamericana de la Cultura. Entre seus obras, estão Livro das Horas e Filhos da América, a ser lançado este mês.

A primeira-secretária, Ana Maria Machado, publicou mais de 100 livros no Brasil, muitos traduzidos em cerca de 20 países. É membro do Pen Clube do Brasil e do Seminário de Literatura da Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Integra o Conselho Consultivo do Brazil Institute do King’s College em Londres.

O jornalista Merval Pereira, segundo-secretário da ABL, eleito em  junho de 2011, na sucessão do escritor Moacyr Scliar, é comentarista da Globonews e da CBN e colunista do jornal O Globo. Foi eleito correspondente brasileiro da Academia das Ciências de Lisboa, em novembro deste ano. Em 1979, recebeu o Prêmio Esso de jornalismo e, em 2009, recebeu o Prêmio Maria Moors Cabot, de excelência jornalística, da Universidade de Columbia .

Escritor, poeta e tradutor, o tesoureiro reeleito da Academia, Marco Lucchesi, foi eleito em março de 2011. Publicou dezenas de livros, entre os quais, Nove Cartas sobre a Divina Comédia, O Dom do Crime, Ficções de um Gabinete Ocidental, A Memória de Ulisses e O Bibliotecário do Imperador, entre outros.

De suas traduções, destacam-se as de Rûmî, Khlebnikov, Rilke e Vico. Ganhou duas vezes o Prêmio Jabuti, além dos prêmios Alceu Amoroso Lima, pelo conjunto da poesia, Marin Sorescu, na Romênia, e o prêmio do Ministero dei Beni Culturali, na Itália.

Com informações da Agência Brasil

Última modificação: Sexta, 02 Dezembro 2016 08:58

Adicionar comentário

Importante: O conteúdo postado neste espaço é de responsabilidade do autor.


Código de segurança
Atualizar

Entre para postar comentários